Visitas

sábado, 9 de julho de 2011

A carta n.º 2 do Baralho Cigano

Sorte ou obstáculos?

Embora eu já tenha dedicado um post à carta n.º 2, explicando o porquê de podermos interpretar os trevos que aparecem em alguns baralhos como empecilhos temporários, achei importante dar a conhecer a visão europeia desta carta (embora utilize a que é praticada no Brasil, até porque o Baralho que utilizo nas consultas é Made in Brasil!).

Apesar das novas tecnologias da informação e comunicação terem vindo a estreitar as fronteiras entre os vários países, originando o conceito de "aldeia global", a verdade é que as diversas culturas possuem sempre características próprias que as diferem das restantes, e não é de estranhar, por isso, que algumas cartas do Petit Lenormand possam ter mais do que uma visão.

Aliás, quem for estudar a origem do Petit Lenormand, conhecido no Brasil como Baralho Cigano, irá deparar-se com uma evolução das cartas e suas gravuras. Além disto, existem diversas versões no mercado que podem gerar um pouco de confusão aquando da escolha.

Os trevos quando de quatro folhas, como nos mostra o Mystical Lenormand  (acima) ou outros baralhos, significam sorte. Quem já não tentou procurar um para guardar no seu porta moedas com intenções de atrair mais abundância, ou pelo menos tenha desejado ter encontrado um? E os estudantes que os guardam dentro dos livros, com esperança de ter bons resultados académicos. Como tenho alguns, nunca mais me preocupei em procurá-los, contudo considero um desafio tentar encontrar um quadrifoglio.

Esta sorte, preconizada pelo trevo nunca foi comprovada, faz sim parte das superstições das pessoas. A verdade é que o trevo ou, por exemplo, uma ferradura ou outro talismã, transmite ao seu possuidor a segurança de que tudo vai correr bem, por se encontrar protegido e sob a alçada da Sorte. E é como se a pessoa possuisse uma energia para ir em frente, que nem sabia que tinha dentro de si.

Quando a carta n.º 2, O Trevo sai, ela traz uma conotação bastante positiva chegando a atenuar a negatividade das cartas que lhe estão próximas. Ela, significa, boa sorte e sucesso na vida do consulente ou em algum campo específico da sua vida (caso esteja a ser analisada a vida amorosa, profissional, financeira...). A pessoa encontra-se protegida, estando as situações desagradáveis desviadas do seu caminho.


Portanto, o que fazer quando a carta n.º 2 em vez de ter pedras e paus tem um trevo na gravura? Sentir a carta, em primeiro lugar. Que emoções ela lhe transmite. E, acima de tudo, siga a sua intuição.

Eu por exemplo, apesar de possuir uma colecção de baralhos, alguns de origem europeia, não me sentiria à vontade usar a carta trevos porque já enraizei na minha mente que a carta 2 representa obstáculos temporários e nas minhas consultas a carta funciona bastante bem. A sorte, no meu entender, pode ser encontrada no Sol e na Estrela. E se por algum motivo tivesse que usar os trevos, continuaria a considerar como tropeços.


Mas cabe a cada um decidir o que fazer... Usar qualquer uma das versões não vai enfraquecer a consulta, até porque cada cartomante possui as suas próprias crenças e formas próprias de encarar as cartas numa tiragem. Acima de tudo, escolha o baralho que lhe suscitar vibrações positivas e boas leituras!


Sem comentários:

Enviar um comentário